Igreja Batista em Quitaúna

Enquanto estamos vivos

Meditações no Eclesiastes 1.3

Nessa vida que é uma névoa, um vento, uma constante mudança e transitoriedade, o sábio se questiona acerca do esforço árduo do humano debaixo do sol.

O trabalho é o empenho de nossas energias em uma determinada atividade. Investimos o nosso tempo, mente e músculos para alcançar um objetivo. Construir uma casa, desenvolver o código do um software, plantar e colher, dirigir um carro de aplicativo, vender algum produto, comprar outros, administrar algum negócio e assim por diante. Normalmente se acorda cedo para o trabalho, 5 ou 6 horas da manhã. O relógio desperta após um fim de semana de descanso. É segunda, a semana só começou. Transporte público ou carro, trânsito, sair cedo e voltar tarde. Tentar descansar do dia longo, pois amanhã tudo se inicia de novo, até a sexta. Novamente o descanso e tudo se repete. Chefe, reuniões, compromissos, horários determinados. “Mas as férias estão chegando”, pensamos dentro de nós no turbilhão da correria da vida. Nos nossos dias está melhor do que no passado. As jornadas de trabalho um dia foram desumanas de forma generalizada. Mulheres e crianças eram submetidas a situações de risco e desumanas. Um dia foi ainda pior! Submetidos por um autocrata, um rei, um ditador, um burguês, um dono de escravos, humanos trabalhavam sem opção, sem sonhos, sem perspectivas. A força de trabalho nem era vendida, tão somente usurpada pelos poderosos.

O sábio, em sua corajosa observação, coloca a sua questão: se a vida é uma névoa que se dissipa, qual o sentido de todo esforço humano? O que esse humano que tanto trabalha ganha? Para que despender suas horas, criatividade e energia se tudo passa? O que resta? O que vale a pena? Para que tanto sofrimento? Todos precisamos trabalhar, ter o nosso sustento, comprar comida, ter uma moradia, cuidar de filhos… Isso é óbvio. Mas a comida acaba, a moradia se desgasta, os filhos se casam. Tudo se dissipa… Para que tanto esforço e trabalho? Talvez alguém responda: para o lazer, pela qualidade de vida, para dirigir um carro bonito, para viajar para algum lugar legal nas férias. Obviedade. Tudo isso acaba também. Para quê tanto e esforço e dedicação se a vida é um sopro? Quem está em busca de entendimento aqui parece ter percebido que essa lógica de que somente o que é útil pode fornecer sentido está totalmente equivocada. O utilitarismo não é capaz de subsidiar o nosso esforço, pois tudo o que compramos quando vendemos nossa força de trabalho se desgasta, quebra, passa, morre. Esse parece ser o ponto: nosso trabalho e suas recompensas não devem ser um fim em si mesmos. Nosso suor que compra algum tipo de experiência ou algum bem material não supre nossa alma. É trabalho pesado jogado no lixo. Qual a alternativa?

Parece possível pensar que o sentido está nos instantes que vivemos ao longo da vida, inclusive de uma vida de trabalho pesado. Cada momento que está indo embora está abrigando o sentido mais profundo da existência. A vida em si mesma pode ser vista como o sentido. Vivê-la enquanto se trabalha, enquanto se descansa, enquanto colhemos o fruto do nosso esforço. Mas não é o trabalho, o descanso ou o esforço. O que vale a pena é, tão somente, podermos discernir o instante em que o suor escorre nos nossos rostos enquanto estamos vivos.

André Anéas