A experiência de ser instrumento do Senhor

Escrito por Pr. André Anéas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Meditações no Salmo 45

Muitos cristãos querem ser “usados” por Deus. O ser “usado” faz parte do vocabulário de muitos que convivem cotidianamente dentro das igrejas locais. Usado para tocar um instrumento musical, usado para pregar a palavra, usado para dar aula, etc. O que significa ser um instrumento da parte de Deus nesta terra? Ou melhor, quando somos um instrumento do Altíssimo? Não parece que ações religiosa exteriores são decisivas para tornarmo-nos instrumentos nas mãos de Deus. Existe algo bem mais profundo sinalizado no salmo. O salmista fala acerca do rei. Um rei, em sentido amplo, é alguém dotado de muito poder, glória e respeito da parte de todos. O rei descrito no salmo, porém, não é um rei qualquer. Trata-se de um rei que espontaneamente produz no coração do salmista o desejo de recitar lindas palavras em honra a sua majestade, uma vez que não é um rei comum: é um rei abençoado. O instrumento de Deus – o rei – é alguém agraciado pelo Senhor.

A graça de Deus está sob ele, ungindo seus lábios. O toque do Todo-Poderoso foi sobre seu instrumento humano. Assim, em primeiro lugar, aquele que deseja ser instrumento nas mãos de Deus, precisa ser tocado pela graça. Não se trata de “forçar a barra” para ser usado ou ser movido por conta própria visando auto-promoção. Não. Trata-se de ser conduzido pelas mãos do Pai. Uma vez agraciado, o instrumento de Deus é movido pelos valores daquEle que agracia. Quais seriam esses valores? Verdade, misericórdia e justiça. Diferente do senso comum, que diz que ser instrumento de Deus significa ter um envolvimento ativo nas atividades religiosas de uma igreja local, o salmista destaca que o coração do rei está em conformidade com o coração do Eterno. Estar comprometido com a verdade, agir com misericórdia e amar a justiça (no sentido do profetismo dos profetas hebreus – a causa do pobre, do órfão e da viúva) são determinante para que o instrumento seja de Deus e não um ativista religioso. O rei que é valorizado na poesia hebraica por sua conformidade com a vontade do Senhor também encontra alegria! Sim, fazer a vontade de Deus resulta em festa, regozijo e prosperidade (vida plena).

Por fim, o rei é alguém amado por sua noiva, pois é um instrumento de Deus íntegro. Viver a experiência de ser instrumento de Deus traz àquele que é “usado” o reconhecimento público de quem é instrumento das bençãos celestes (do salmista, da noiva, da corte). Ser um vaso nas mãos do oleiro é ser reconhecido como sinal da graça de Deus no mundo. Sejamos, pois, instrumentos do Senhor, pois a terra carece de pessoas com o coração de Jesus, o Rei dos reis, o grande sinal de Deus na história! Pessoas que, mais do que exteriormente, seja usadas para “iluminar” a terra e “salgar” a existência (Mateus 5).

Rolar para cima