A EXPERIÊNCIA DA SUBVERSÃO

Escrito por Pr. André Anéas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Um dos momentos mais importantes da narrativa bíblica é a libertação dos hebreus da escravidão e do jugo dos opressores egípcios representados na figura de Faraó. A história da libertação do povo tem um significado singular para toda a nossa fé cristã. Primeiramente conseguimos perceber que o Eterno está comprometido com a libertação do seu povo, de tal maneira a se envolver na histórica e “patrocinar” esse projeto. Deus não está distante e indiferente a dor oprimidos. Ao contrário, importa-se ao ponto de colocar em ação um plano para promoção da liberdade. Em segundo lugar, a liberdade em si é algo caro para toda a narrativa e para o divino. Assim, para além da ação em si, é fundamental notar que o Deus revelado tem a questão da liberdade em alta estima. O Senhor não deseja “castrar” o seu povo escolhido de sua liberdade e autonomia. Muito pelo contrário, a proposta de Deus para o povo separado, o qual deveria testemunhar para toda a humanidade o plano de Deus, é de uma humanidade autônoma, sonhadora, criativa e livre. Assim, entendemos que Deus não nos quer como que aprisionados ou levados de um lado para o outro, por todo vento de doutrina (Efésios 4.14), mas gente que pensa, reflete, critica, analisa e, em liberdade, toma suas posições e se responsabiliza por elas, devendo sempre promover o reino de Deus no mundo – que é um reino de liberdade.

Ação no mundo (história) e compromisso com a liberdade são dois elementos presente no Deus de Israel. O salmista percebe um traço importante desse processo: a reação do cosmo. A experiência de subversão acontece aqui. O Altíssimo nunca está em cima do muro, sempre se posiciona do lado do oprimido. As consequências dos sistemas mundanos são várias. Perseguição, autoritarismos, guerras, ódio, etc. Entretanto Deus “banca” o projeto e vai até o fim, não se importando com as águas que tornam-se revoltas e com o mundo que caótico dos egípcios, uma vez subvertida a lógica do opressor. Em contrapartida, as montanhas e colinas se alegram e festejam, pois há vida e esperança para os escravos da história. O caminho do evangelho é um caminho de profetas, os quais compram as boas brigas do mundo em prol de um mundo livre e justo. A religião é um caminho de sacerdotes, que buscam a todo custo manter a engrenagem do sistema girando como sempre. Profetas do Senhor subvertem com crítica ácida, seja quem for. Sacerdotes brincam de religião e buscam sempre sustentar seus cargos e poder. Que possamos ser como Jesus de Nazaré, o profeta crucificado, cuja mensagem subverteu o mundo, o colocando de cabeça para baixo.

Rolar para cima