A EXPERIÊNCIA DA CASA DO POVO DE DEUS

Escrito por Pr. André Anéas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

experiência da casa do povo de Deus foi experimentada no passado quando os israelitas se reuniam no templo em Jerusalém. Embora compreendamos a nossa experiência espiritual à luz do Novo Testamento, em que existe um deslocamento do templo para o corpo do humano, muitos traços daquilo que o salmista diz ressoa em nossa espiritualidade cristã. O ajuntamento dos discípulos e discípulas de Jesus continua sendo uma prática singular da vivência da fé, desde os primórdios do movimento de Jesus. Da mesma maneira como descrito pelo salmista, a alegria está presente nestes momentos. Estar junto do povo de Deus é motivo de júbilo, de contentamento, de festa e de muitos sorrisos. A alegria na vida de quem segue ao Cristo é marcante, vem de dentro para fora. Longe de um mero hábito ritualístico, os fiéis sorriem com o coração, por isso cantam e batem palmas animados, expressando o que está dentro deles. 

Outro elemento nos ajuntamentos e encontros dos cristãos é o senso de pertencimento. Ninguém vive a espiritualidade cristã sozinho, isolado e de maneira individualista. A fé é experimentada coletivamente, em grupo, em comunidade. A percepção de que somos povo de Deus, que estamos protegidos no ajuntamento, de que possuímos uma identidade é importantíssimo ao estarmos na casa do Eterno. Mais interessante é o fato de que mesmo todos sendo parte do povo do Altíssimo, há diferentes “tribos” entre nós. Nesse sentido, muitas vezes o excesso de denominações dificulta a percepção de que o povo de Deus é plural, feito de humanos com diferentes culturas e modos de pensamento, e de que esta pluralidade não é ruim. Ao contrário, expressa a beleza do Deus trino. Ser parte desse povo e viver a experiência de caminhar com esse povo implica responsabilidade. Vivenciar essa fé implica em compromissos com elementos como justiçapaz e amizade. A desigualdade, as contendas e o ódio não pertencem a cultura dessa comunidade do reino de Iavé. O Eterno, através do salmista, nos sinaliza com clareza que desfrutar da experiência da casa do povo de Deus implica, necessariamente, em meio a toda diversidade, seriedade e compromisso comunitário, para a preservação dos valores dEle. 

Que possamos diariamente se alegrar por estamos na casa do Senhor. Mais: que somos casa juntos de outras casas, nos alegrando com. Que pertencemos com. Que temos identidade na pluralidade, pois todos refletimos e agimos com justiçapaz e amizade, como povo!

Rolar para cima