pastoral

Enquanto estamos vivos

Meditações no Eclesiastes 1.3

Nessa vida que é uma névoa, um vento, uma constante mudança e transitoriedade, o sábio se questiona acerca do esforço árduo do humano debaixo do sol.

O trabalho é o empenho de nossas energias em uma determinada atividade. Investimos o nosso tempo, mente e músculos para alcançar um objetivo. Construir uma casa, desenvolver o código do um software, plantar e colher, dirigir um carro de aplicativo, vender algum produto, comprar outros, administrar algum negócio e assim por diante. Normalmente se acorda cedo para o trabalho, 5 ou 6 horas da manhã. O relógio desperta após um fim de semana de descanso. É segunda, a semana só começou. Transporte público ou carro, trânsito, sair cedo e voltar tarde. Tentar descansar do dia longo, pois amanhã tudo se inicia de novo, até a sexta. Novamente o descanso e tudo se repete. Chefe, reuniões, compromissos, horários determinados. “Mas as férias estão chegando”, pensamos dentro de nós no turbilhão da correria da vida. Nos nossos dias está melhor do que no passado. As jornadas de trabalho um dia foram desumanas de forma generalizada. Mulheres e crianças eram submetidas a situações de risco e desumanas. Um dia foi ainda pior! Submetidos por um autocrata, um rei, um ditador, um burguês, um dono de escravos, humanos trabalhavam sem opção, sem sonhos, sem perspectivas. A força de trabalho nem era vendida, tão somente usurpada pelos poderosos.

O sábio, em sua corajosa observação, coloca a sua questão: se a vida é uma névoa que se dissipa, qual o sentido de todo esforço humano? O que esse humano que tanto trabalha ganha? Para que despender suas horas, criatividade e energia se tudo passa? O que resta? O que vale a pena? Para que tanto sofrimento? Todos precisamos trabalhar, ter o nosso sustento, comprar comida, ter uma moradia, cuidar de filhos… Isso é óbvio. Mas a comida acaba, a moradia se desgasta, os filhos se casam. Tudo se dissipa… Para que tanto esforço e trabalho? Talvez alguém responda: para o lazer, pela qualidade de vida, para dirigir um carro bonito, para viajar para algum lugar legal nas férias. Obviedade. Tudo isso acaba também. Para quê tanto e esforço e dedicação se a vida é um sopro? Quem está em busca de entendimento aqui parece ter percebido que essa lógica de que somente o que é útil pode fornecer sentido está totalmente equivocada. O utilitarismo não é capaz de subsidiar o nosso esforço, pois tudo o que compramos quando vendemos nossa força de trabalho se desgasta, quebra, passa, morre. Esse parece ser o ponto: nosso trabalho e suas recompensas não devem ser um fim em si mesmos. Nosso suor que compra algum tipo de experiência ou algum bem material não supre nossa alma. É trabalho pesado jogado no lixo. Qual a alternativa?

Parece possível pensar que o sentido está nos instantes que vivemos ao longo da vida, inclusive de uma vida de trabalho pesado. Cada momento que está indo embora está abrigando o sentido mais profundo da existência. A vida em si mesma pode ser vista como o sentido. Vivê-la enquanto se trabalha, enquanto se descansa, enquanto colhemos o fruto do nosso esforço. Mas não é o trabalho, o descanso ou o esforço. O que vale a pena é, tão somente, podermos discernir o instante em que o suor escorre nos nossos rostos enquanto estamos vivos.

André Anéas

Para além de um sopro

Meditações no Eclesiastes 1.2

“Vaidade de vaidades” é a expressão mais emblemática do livro de Eclesiastes. O sábio, esse que está em busca, diz que tudo é “vaidade”. Que isso significa?

Traduções que buscam captar o sentido mais profundo do termo em hebraico falam em “vazio”, “sopro” e “névoa”. Tudo, na ótica do escritor-pensador é, portanto, uma espécie de neblina que se dissipa (pegando carona no texto de Tiago 4.14), algo que não vale a pena. Imediatamente somos surpreendidos por essa afirmação contundente. Será que a vida não teria sentido? Será que a existência é uma aleatoriedade? Será que não há razão alguma para vivermos? É sempre necessário lembrar que quem escreve o faz com a coragem de afirmar coisas que observou e refletiu por anos, revisitando recorrentemente os pensamentos a partir da realidade que se vê com muita atenção. A afirmação do sábio, não deve ser acatada como equivalente a ideia de que a vida não tem sentido. Mas, conforme as percepções mais adequadas do texto nos ajudam a discernir, que a vida é um “vazio”, “sopro” e “névoa”. Sendo a vida essa “neblina”, algo que “não vale a pena”, os olhos de quem pensa podem observar algo que está para além das aparências. Em outras palavras, somente quando detectamos que tudo não passa de um sopro somos capazes de discernir aquilo que, de fato, vale mesmo a pena ou que se sustenta para além do vento, do ar e da névoa que se esvai.

A reflexão que estamos sendo conduzidos nos leva para a percepção de que as razões que justificam a existência não são tão óbvias. Somente quando temos a capacidade de olhar para tudo e ver um “nada”, conseguiremos ver, de fato, o que importa. Estar dentro desse movimento é assumir a caminhada em sua paradoxalidade – ser ou não ser; bonito e feio; eterno e finito; alegria e tristeza; presença e saudade; vida e morte; festa e luto; etc. –, característica da própria vida que muitas vezes nos assustam e chocam. Lidar com esse turbilhão de contradições dentro da caminhada pode fazer com que sedamos à tentação de “escapar” do problema. Ou, encontrar sentido em tudo: no dinheiro, no emprego, no sucesso, no consumo, no carro do ano, na rotina, na vida religiosa, etc. Justificar a vida a partir de obviedades, que nos ajudam a fechar os olhos para aquilo que o sábio insiste em querer que vejamos: nada faz sentido ou nada vale a pena. Reforço: somente quando temos coragem de perceber que as coisas que podem ser os “atalhos” para o sentido da vida não têm sentido, é que conseguimos encontrar sentido no que realmente importa nesse mundo efêmero.

A questão não é o jantar caro, mas a companhia; não é a família perfeita, mas o amor; a questão não é sobre o quanto ganhamos em nosso emprego, mas a satisfação interior de exercer nossa criatividade; não é a religião, mas a fraternidade; não é o tempo, mas os prazeres e as saudades; não é sobre os bens, mas sobre a generosidade e a gratidão; não é sobre ontem ou o amanhã, mas sobre o instante. É somente na relativização do obvio que habilitamos nosso olhar para discernir, para além das obviedades, os entrelugares de sentido de um mundo sem sentido, para além de um sopro.

André Anéas

A busca corajosa

Meditações no Eclesiastes 1.1

O escritor do livro de Eclesiastes, independentemente de quem seja de fato, se coloca como um “mestre” ou, em outras palavras, “alguém que está em busca”. Sim, pois ser um mestre, um pensador, um filósofo e, inclusive, um teólogo, significa ser alguém que tem coragem para se colocar em uma busca pela Verdade. Isso não significa encontrá-la literalmente de modo absoluto. Significa uma disposição interior e honesta de estar nesse caminho investigativo acerca de tudo o que existe diante dos nossos olhos e, também, dentro das nossas almas.

O que é a vida? O que é a existência? Quem somos nós? Qual o sentido do nosso esforço diário? O que são as alegrias e prazeres cotidianos? Afinal, qual o sentido da vida? O livro do sábio, esse que sabe, é o livro de alguém que mergulhou na arte de perguntar, de observar e analisar as coisas do mundo ou, melhor dizendo, da vida. Nessa busca não há pressa. Há tempo, muito tempo de observação, de um olhar atento e depurado sobre como as coisas verdadeiramente são. Reforço: ser um “sábio” nesse sentido envolve coragem. Por quê? Coragem para encarar de frente a realidade da existência, correndo o risco do solo seguro que sustenta as nossas justificativas da vida ruir e ficarmos sem chão. Coragem para, uma vez sem o chão dos nossos sistemas de plausibilidade, repensarmos nossos conceitos, ideias, teologias, filosofias e pensamentos. Reajustar, fazer novas sínteses e, até mesmo, jogar fora o que não nos serve mais. Não se trata de um exercício pontual, mas sim de uma disposição permanente de rever nossas dúvidas e respostas. Aliás, coragem para assumirmos as dúvidas e interrogações como coisas boas. Afinal, somente duvidando e questionando seremos capazes de amadurecermos. Coragem para mudarmos de rota e de norteadores em nossa caminhada. Coragem para deixar o velho para trás, preservar as lições aprendidas e criar o novo no tempo que se chama hoje. Coragem para duvidar de si mesmo (e rir um pouco também). Coragem de não aceitar as obviedades e clichês. Coragem para se reinventar, assumindo-se como um alguém que é capaz de se metamorfosear enquanto se anda no caminho de quem não tem medo de pensar. Esse é o grande convite do sábio: adentrar uma intensa, incessante e corajosa busca que, em si mesma, já produz em nós o sentido de viver e que tem o potencial de abrir os nossos olhos para o que está diante dos nossos narizes e não somos capazes de ver.

Que seus olhos sejam abertos, caso tenha coragem de viver a aventura de pensar a vida.

André Anéas

A experiência de Deus em todo lugar

Meditações no Salmo 150

Qual o lugar correto para se adorar a Deus?

Essa foi a questão da mulher samaritana, sendo respondida por Jesus de modo a relativizar os lugares sagrados para tal prática. Ele disse: “os verdadeiros adoradores adorarão em espírito e em verdade”. Ou seja, a verdadeira adoração não se refere a um lugar, mas a um coração. O salmista parece antecipar essa percepção, mostrando que Deus deve ser adorado tanto no templo de Jerusalém quanto nos céus, ao “ar livre”, no firmamento. O Eterno é digno de adoração para além dos limites geográficos de um determinado lugar. Sua beleza o torna digno de ser contemplado para além daquilo que o humano possa dar o nome de “sagrado”, pois Ele mesmo não está contido dentro desse tipo de limite humanamente determinado. A experiência de Deus em todo lugar diz respeito a nós enquanto quem experimenta Deus, mas também a Deus, enquanto um Alguém cuja presença misteriosa não possui limite algum. Qual seria o impacto dessa percepção em nossa maneira de experimentar o Mistério? Especialmente aos religiosos, trata-se de uma mudança drástica. Significa uma relativização do lugar de culto como lugar por excelência para louvar ao Senhor. Nessa relativização, a geografia não é mais capaz de determinar a qualidade de um encontro com o Divino.

Não existe mais nenhum lugar que não seja transformado e configurado como ambiente adequado para se achegar a Deus. Em outras palavras, sua casa é tão santa quando a igreja; seu trabalho é tão sagrado quando o parque em que você passeia com a família; a ceia do Senhor servida no ambiente religioso é tão santa quando a comida partilhada com quem tem fome. Todos os espaços são espaços de encontro com Deus, pois Deus é louvado, na verdade, no cosmo ou na Vida em si mesma. Vida essa que Ele é o doador. Esse “mergulho” na existência possibilita uma liberdade encantadora, pois, agora, verdadeiramente, a celebração nunca termina, seja no domingo na igreja ou na cochilada depois do almoço no meio da semana. Nessa liberdade, nosso coração adentra o lugar santíssimo transcendendo qualquer tipo de “parede sagrada”, tornando, no fim das contas, tudo sagrado. Que toda criatura louve! Que toda criatura louvo com criatividade! E, finalmente, que toda criatura louve em todo lugar, pois Ele é digno.

Pr. André Anéas

A experiência de ser sinal de justiça

Meditações no Salmo 149

As dores da existência estão aí para quem quer ver. Injustiças, fome, guerras, intolerância, violência. Engana-se quem pensa que o Eterno está de braços cruzados diante das mazelas desse mundo. Ele está dizendo que isso “não é bom”. Em seu ímpeto em agir perante uma humanidade embriagada em sua maldade, ele faz um povo Teu.

Esse “povo de Deus” tem por missão testemunhar acerca da ética do Altíssimo perante todos os povos da terra. É chamado, vocacionado, a ser um sinal de Deus na história. O salmista deixa exalar em sua poesia o que emerge da sua alma sobre essa nobríssima tarefa. A experiência de ser sinal de justiçasignifica que esse povo deve ficar sempre ao lado dos oprimidos, pois esse “povo de Deus” sabe o que é ser oprimido. Essa experiência envolve, necessariamente, escolher priorizar os pobres e marginais da história, pois o “povo de Deus” foi pobre e marginal. O “povo de Deus” não é povo de um Deus qualquer, mas de um Senhor esvaziado, crucificado, ferido e morto, mas que ressuscitou para ser a esperança de que a morte não tem a última palavra e que a vida e o amor vencerão sempre os opressores da vida. Quem vive essa experiência se alegra, pois foi forjado nas mãos de um Deus que deu o exemplo. O salmista fala em louvor, celebração, danças. O “povo de Deus” é um povo alegre, pois sabe e conhece seu sagrado privilégio. Esse povo simples, salvo pela graça, está sempre com um sorriso no rosto. Essa alegria verdadeira não é fruto de uma alienação, mas de uma convicção de que vale a pena lutar e se engajar na missão de Deus. Nessa luta, embora muitas feridas e dores, existem os momentos de, com muita ternura, expressar a fé que brota do coração da gente, em apresentações que enaltecem aquele que toma sempre o partido do mais fraco.

Viver a experiência de ser sinal de justiça é um privilégio, que envolve alegria e compromisso. Envolve sorriso e seriedade. Envolve ternura e luta. Envolver música e o silêncio de quem resiste diante do mal. Envolve uma certeza na alma de que o “povo de Deus” será sempre um povo cujo testemunho de libertação proporcionado por Deus deixará sempre os reis e poderosos na expectativa de que um dia, a justiça divina irá imperar plenamente, reconfigurando o mundo em um lugar de liberdade, fraternidade e igualdade! Alegre-se e lute povo de Deus, tu és um sinal de justiça do Eterno!

Pr. André Anéas

A experiência da beleza

Meditações no Salmo 147

Fomos ensinados que Deus gosta de receber os nossos sacrifícios. Em algumas correntes cristãs isso é algo levado tão a sério que muito fiéis se mutilam para agradar ao Senhor. Porém, mesmo em correntes mais “normais”, “sacrificar a Deus” é uma constante.

Agrada o Eterno quem:

Faz longas horas de jejum (normalmente deixando de comer coisas prazerosas como chocolate); quem passa longos momentos de joelhos em oração; quem sacrifica o seu tempo com família e amigos para servir mais a Deus na igreja; quem termina um relacionamento amoroso para poder provar que ama a Deus; quem deixa de jogar bola com os amigos para ir aos cultos com frequência; quem deixa de ir ao parque aos domingos por ser o “Dia do Senhor”; quem rompe amizades de anos com pessoas que não são crentes; quem não assiste filme de terror para “fugir da aparência do mal”; quem deixa de ouvir “música do mundo” por ser do mundo e não de Deus… Enfim, a lista seria interminável de coisas que cristãos fazem ou deixam de fazer por “sacrifício” a Deus. O salmista sugere um outro caminho: entregar ao Eterno beleza! “O louvor é belo e apropriado a ele”, diz o salmista. A quem estamos cultuando? Um Deus que gosta do “sangue” dos sacrifícios? Ou um Deus amoroso que ama e espera receber amor em forma de beleza dos seus amados e amadas? O Eterno é aquele que: é libertador e resgatador de seu povo; é quem cura os feridos e sara as nossas feridas; é um Deus oniamante, tornando impossível compreendermos a profundidade de sua graça e misericórdia; Ele ergue os caídos; é movido por sua justiça; e, no ápice de sua manifestação graciosa, ao invés de pedir um sacrifício especial, Ele se fez sacrifício motivado exclusivamente pelo seu amor à humanidade. Ora, quem é esse Deus que, inclusive, encerra a possibilidade de novos sacrifícios em Seu sacrifício – autodoação – perfeito? Esse é o Eterno!

Diante da beleza de sua santidade, podemos experimentar a experiência da beleza, ofertando a Ele não nossas dores, mas nossa arte, nossos poemas e nossas canções: o belo para o Belo! Oferte hoje mesmo a Ele a beleza, que pode estar em uma história de amor, na sua brincadeira com os filhos, em uma cochilada após o almoço, em seu tempo de lazer em família, em um passeio no parque ou no jogar a bolinha para o seu cachorro. Que não falte inspiração para dar a Ele, que é Belo e Bom, toda a nossa criatividade, pois Ele é digno e se alegrará mais com a música de Bach do que dos nossos joelhos no milho. Viva a experiência da beleza.

Pr. André Anéas

A experiência da graça como justiça

Meditações no Salmo 146

Há quem diga que amigo verdadeiro se conta na palma de uma mão. À luz da experiência cotidiana não parece equivocada essa afirmação. Lealdade e confiança são virtudes preciosas e mesmo nas pessoas que mais acreditamos serem leais, pode existir falha de caráter. O salmista sabiamente faz um alerta cheio de sabedoria: não depositar nossa confiança nos humanos, especialmente os poderosos. Quem confia em homens poderosos está fadado a viver sob um solo movediço, cheio de incertezas e dúvidas acerca da lealdade deles para conosco, “meros mortais”. Viver uma vida confiando em absoluto em um político, em um nobre, em alguém famoso ou mesmo em uma pessoa próxima a nós é um erro, pois depositaremos nesse indivíduo tudo o que nos dá sentido, lhe entregando praticamente a nossa alma.

Em alguma medida essa “confiança cega” é fazer do humano em quem confiamos um “deus”. O salmista vai em sentido oposto, nos instigando a confiar no Eterno, pois nEle encontraremos um solo seguro para ser o guarda do nosso coração. Não é à toa que o salmista nos incentiva a adorar ao Altíssimo, pois nEle existe uma santidade perfeita, sem hipocrisia e que não está sujeita as oscilações de integridade que vemos nos humanos. Nele, no Criador, podemos confiar. Entretanto, esse pensamento cético em relação aos humanos não pode se tornar um pessimismo em relação ao progresso da humanidade. Em chave bíblico-teológica e cristã, podemos entender que Deus está pessoalmente comprometido com o melhor para os humanos. Assim, o salmista pode nos fazer pensar na experiência da graça como justiça. Embora não seja sábio confiar que o humano pela força do próprio humano irá ser leal e justo em suas decisões, tomando partido dos fracos, injustiçados, famintos, cegos e abatidos, certo é que o Senhor o fará! Tendo em mente que o Deus que dá testemunho nas Escrituras é aquele que, em sua santa justiça, advoga em favor do pobre, órfão, viúva e estrangeiro, podemos ler esse cuidado do Alto como graça divina. Uma vez sendo graça, desviamos a confiança dos humanos para o Deus que está comprometido com esse projeto histórico e concreto de transformação social. Mesmo em nossas falhas humanas, Ele se encarregará sempre de permanecer atuando em favor das vítimas desse mundo, pois sua justiça é graça.

Portanto, se podemos olhar para a nossa dura realidade e ainda assim esperançar, é porque a graça como justiça nos possibilita isso. Se podemos nos juntar a Ele nesse projeto do Reino, é graça dEle sobre nós. Louve e adore ao Eterno, pois Ele é bom e comprometido com o projeto de justiça aqui e agora, enfrentando os “Faraós” desse mundo em favor dos oprimidos.

Pr. André Anéas

A experiência da humildade

Meditações no Salmo 145

A vida é carrega de experiências terríveis, parte delas fruto dos nossos próprios erros.

Essas experiências sobrecarregam o nosso coração de raiva, frustração, tristeza e, até mesmo, ódio. Que ódio que dá bater um dedinho do pé em uma quina; que ódio é errar gravemente com o seu filho – falando o que não devia ser dito –; que ódio cometer um erro no trabalho. E assim por diante… Todo esse sentimento negativo é uma sombra sobre um outro tipo de sentimento: nossa soberba, arrogância e perfeccionismo. Não podemos nos dar ao luxo de errar e cometer erros, caso contrário, ficamos “melindrados” com nós mesmos. Em outras palavras, o que estamos a dizer é que nós somos o “centro do universo”. Não há nada mais contrário ao espírito do evangelho e da lógica bíblica do que isso. Esse olhar para si egoísta e autossuficiente não é capaz de mostrar ao humano que ele não é toda essa perfeição. A experiência da humildade brota justamente quando lidamos com quem somos em nossas frustrações e reconhecemos que existe um Alguém que verdadeiramente É. Esse “Alguém” é o Eterno e somente Ele.

Portanto, o exercício que o salmista faz em reconhecer que Ele é, é fundamental para discernirmos a possibilidade da humildade que deve habitar os corações daqueles que enaltecem ao Senhor. Humildade que está sempre pronta a dar a glória a Deus; humildade que reconhece que a vida é um eterno aprendizado; humildade que sabe reconhecer a própria pequenez; humildade que está pronta a assumir seu erro e que é errante. O olha ao Altíssimo envolve, necessariamente, uma postura de humildade, pois nEle não há limites, mas em nós existem muitos; nEle há eternidade, em nós finitude; nEle há beleza; em nós feiura por diversas vezes; nEle há bondade, em nós maldade; para Ele há aplausos; para nós vaias. No caminho da humildade – e somente nele – abre-se a rota da transformação, da mudança, de novos começos. Só pode melhorar quem é capaz de reconhecer suas próprias falhas. Que vivamos uma experiência da humildade autêntica, pois é nEle que somos forjados para sermos verdadeiramente melhores aos Seus olhos e não aos nossos próprios.

Pr. André Anéas

A experiência da capacitação

Meditações no Salmo 144

A vida é cheia de desafios que exigem muito de cada um de nós.

Desde as coisas mais corriqueiras, como cozinha e aprender a dirigir, até coisas mais sofisticadas, como estudar engenharia ou filosofia, precisamos de horas de esforço, leitura, madrugadas e muita dedicação para fazer tudo com excelência. É certa a afirmação que o humano precisa se esforçar para conquistar seus sonhos e adquirir habilidades na jornada da vida. “Quem cedo madruga…” tem suas vantagens. Entretanto, em chave cristã, é complicado quando o humano se ensoberbecer de si mesmo. É algo ruim quando nos tornamos autossuficientes, olhando a nós mesmos como que capaz de obter tudo o que precisamos na vida.

Ou seja, a espiritualidade cristã e bíblica parece nos alertar algo fundamental: nunca conseguimos tudo sozinhos. Longe de desencorajar alguém a perseverar em seus objetivos ou estimular uma preguiça nociva, existe uma série de elementos que não dependem de cada um de nós para vencermos as batalhas que temos na existência. O salmista faz afirmações importantíssimas nesse sentido, reconhecendo que o Eterno é quem treina as suas mãos, que treina os seus dedos para a batalha; que Deus é aliado dele na vida, uma fortaleza que o protege e o liberta; que o Senhor é escudo e refúgio. Quem ora vive a experiência da capacitação. Capacitação que vem do alto, nesse humano que discerne que o que ele faz nunca é mérito absoluto de si mesmo, mas que procede como graça da parte de Deus. Que é o humano para que o Altíssimo se importe com essas minúcias? Essa é a indagação de quem ora. Viver sob as asas do Eterno é experimentar o seu cuidado capacitador em meio ao esforço de fazer tudo o que fazemos. O “estar no lugar certo e na hora certa” pode ser discernido por esse cuidado de Deus. O cair na graça de um chefe, em toda a subjetividade que envolve os processos relacionais, também pode ser interpretado como graça divina. Aquele insight que brota em nossa mente em uma situação difícil e complexa, pode ser lido como um toque da bondade do Senhor em nós.

Aquela pessoa que nos ajudou gratuitamente e que partilhou generosamente do seu conhecimento e tempo, não fora a mão dEle?

Podemos conquistar muitas coisas na vida. Mas, devemos reconhecer: não foram somente os nossos méritos que tornaram possível essas realizações. A boa mão do Senhor nos capacitou com sua multiforme graça para termos sucesso em nossas atividades.

Bendito seja o nome do Eterno! Reconheça isso. Torna a vida bela e é sinal de humildade.

Pr. André Anéas

A experiência do salto da fé

Meditações no Salmo 143

Que é ter fé?

Erroneamente as linhas mais conhecidas do protestantismo pensam a fé como a certeza que temos em determinadas sentenças teológicas. Se eu crer de determinada maneira, em determinada confissão de fé, de uma maneira elaborada teologicamente x, y ou z, logo tenho fé. Nada mais distante da tradição bíblica. Dentro das orações dos salmistas é possível encontrar algo mais próximo do significado de fé.

Uma boa metáfora é “salto”.

Viver a experiência do salto da fé está mais aderente ao que se vê no testemunho de quem ora. A questão não é a formulação teológica. Isso é racionalismo de ar piedoso. A questão é se saltamos no abismo que está diante de nós. O salmista se mostra angustiado, amedrontado, cheio de inseguranças e dúvidas. Além disso, ele sabe que a sua moral não é suficiente para comprar o favor divino, por isso mesmo suplica para que o Eterno não o leve para juízo. Mesmo assim, com tantos elementos em desfavor, ele se lança em fé, ele salta para o Altíssimo, em uma confiança cega, em uma aposta alta, cujo custo é a vida como um todo.

Nesse saltar, a questão não é o que se crê, mas o como se crê. E como ele vive esse salto da fé? Vive de tal modo como se soubesse que salta para a graça de Deus. Salta em direção a misericórdia. Salta nos braços fortes que não está observando ainda, mas que, pela fé, estão lá. Salta como um servo, como um filho, como um amante do Amor. Salta confiante de que o Amor o amará. Viver a vida é uma experiência um tanto angustiante. Temos inseguranças. Temos medos. Fraquejamos diante da dor e dos sofrimentos. Nossa alma experimenta a angústia, que sequer sabemos de onde veio. Nesses instantes escuros na alma, somos convidados a viver a experiência do salto da fé. Não das certezas objetivas e racionalistas, dos decorebas infantis. Mas experimentar no interior de quem somos a possibilidade de, com coragem, viver pela fé em meio a todo tipo de aflição. Nas noites escuras da alma, saltemos, pois, no oceano da misericórdia do Senhor. Suplicar em silêncio. Suplicar, não somente sabendo, mas sendo pela fé, filhos e filhas de um Pai que nos ama em meio as dores da existência.

Pr. André Anéas